Com tempo médio de três dias para a abertura de uma nova empresa, os números do governo federal mostram que existem motivos para acreditar em uma positiva reação da economia. No último mês de julho foram abertas 250.308 empresas, para 81.816 extintas

De acordo com o Mapa de Empresas do Governo Digital, o mês de julho de 2020 registrou a abertura de mais de 250 mil empresas em todo o território nacional, com o tempo médio de três dias para os trâmites; os dados foram obtidos pela REDESIM – Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios. Já o número de CNPJ encerrado foi de 81.816. 

Ainda, os números mostram que mesmo durante o período mais crítico da pandemia – abril e maio –, a quantidade de empresas abertas se mostrou bastante elevada, sendo: 190.049 e 210.170, respectivamente. “Graças a desburocratização e ao uso da tecnologia, hoje, o processo de abertura de uma empresa leva apenas alguns dias”, declarou o Professor Carlos Afonso, que além de educador financeiro, é contabilista e administrador. “Em um passado não muito distante, abrir uma empresa podia representar um verdadeiro tormento para o empreendedor, haja vista a burocracia envolvida e, principalmente, o tempo despendido. Esse processo levava semanas, literalmente”, lembrou ele, que também é autor do livro Organize suas finanças e saia do vermelho. 

Planejamento empresarial é o mais importante 

Antes de abrir o CNPJ, o planejamento empresarial do negócio é fundamental

O processo de abertura de uma empresa ocorre muito antes das formalidades legais perante a Junta Comercial do estado. Antes de mais nada, é fundamental que o empreendedor faça minimamente a lição de casa, ou seja, planeje o negócio a fim de garantir a sobrevivência da empresa. “Saliento que as estatísticas do SEBRAE apontam que metade das empresas quebram antes dos cinco anos de vida”, pontuou o Professor Carlos. “Neste sentido, dedicar tempo e energia para a estruturação mínima de um plano de negócio é importante para manter o êxito da empreitada”, completou. 

Para organizar tal planejamento é sempre importante ter o respaldo de profissionais qualificados, a exemplo de contadores e advogados, que darão suporte nas questões societárias e tributárias do novo empreendimento. Eles podem trazer um forte impacto no presente e no futuro de qualquer organização. 

Porém, não é só em relação as demandas tributárias e societárias que o empreendedor precisa se preocupar, sendo também: pensar na marca do negócio, nas estratégias de marketing a serem adotadas para atrair o consumidor, analisar a formação do preço de venda do produto ou da prestação dos serviços, os aspectos relativos ao fluxo de caixa e, eventualmente, sobre a contratação de funcionários, analise do negócio – se será totalmente on-line ou se terá loja física (neste caso, o estudo prévio do local é de suma importância para garantir o sucesso do empreendimento), dentre outros. 

Expectativa X realidade 

É preciso dimensionar corretamente o capital de giro suficiente para a empresa suportar os primeiros meses de operação

Todo o negócio tem um tempo de maturação. Engana-se quem espera que logo nos primeiros meses, a empresa faturará cifras milionárias. Para atingir um ponto de equilíbrio são necessários alguns meses. “Aconselho que o empreendedor que abrir agora uma empresa, sobretudo em período de pandemia, seja muito realista quanto a receita que espera gerar no início da operação. Por mais inovador que seja o produto ou serviço, por mais brilhante que seja a marca, todo o negócio começa pequeno, com as vendas evoluindo e o público alvo crescendo gradativamente”, alertou o Professor Carlos. 

Alguns empreendedores são otimistas demais em relação as vendas e, por muitas vezes, essas expectativas são frustradas, e enquanto isso, queima-se toda a reserva para pagar as contas do negócio. O Professor Carlos afirma que é fundamental ter muita cautela, de modo a dimensionar corretamente o capital de giro suficiente para a empresa suportar os primeiros meses de operação. “Se isso não for feito de maneira bem pensada, a empresa e o empresário não terão fluxo de caixa”.

Vale ressaltar que é imprescindível colocar todas as contas na ponta do lápis, assim como as projeções de vendas. Recomenda-se fortemente que isso seja feito sempre através de software de gestão financeira, que proporciona uma visão abrangente do fluxo de caixa da empresa e a flexibilidade quando ajustes forem necessários (diferentemente de planilhas eletrônicas, onde os ajustes precisam ser todos manuais, com alto consumo de tempo para fazê-los). Existem ótimas opções no mercado, com excelente relação custo x benefício e com acesso na nuvem, de modo a facilitar a vida do empreendedor. 

Número de empresas abertas e extintas em 2020 

MÊSEMPRESAS ABERTASEMPRESAS EXTINTAS
JANEIRO309.426111.140
FEVEREIRO264.04793.985
MARÇO287.01590.689
ABRIL190.04958.922
MAIO210.17070.477
JUNHO265.64780.336
JULHO250.30881.816
MÉDIA253.80983.909

Sobre o Livro Organize suas finanças e saia do vermelho  

De leitura fácil e rápida compreensão, o livro ‘Organize suas finanças e saia do vermelho’ foi lançado em agosto de 2017, pelo especialista em finanças, Professor Carlos Afonso, que é administrador, contabilista e sócio-diretor do Grupo MCR.  

O autor traz conceitos fundamentais para uma boa educação financeira, a fim de evitar que as pessoas adquiram o endividamento financeiro ou, se a dívida já existe, desenvolve dicas de como sair dela. Além disso, a obra ensina o leitor a pensar no futuro e, de maneira confortável, fazer o seu “pé de meia”.   

‘Organize suas finanças e saia do vermelho’ traz uma luz sobre esse importante assunto que afeta a vida de qualquer pessoa, desde o nascimento até o último suspiro. Relacionar-se bem com o dinheiro garante sustentabilidade financeira e uma vida melhor, livre de privações. (http://www.livrosaiadovermelho.com.br/)